14 Fev

NORTE DE ITÁLIA: MILÃO, BERGAMO, LECCO E BOLONHA

 

Norte de Itália, em Milão, Bergamo, Lecco e Bolonha

Texto & Fotos de António Ribeiro

 

A Itália é um país fantástico com muito para ver, desde o sul com belas praias e as maiores ilhas do mediterrâneo, a Sardenha e a Sicília; bem como outras pequenas como a de Capri; toda a sua costa, quer no mar  Adriático, mediterrâneo, Jónico ou Tirreno; bem como o Norte, com os magníficos Alpes, tem muito para oferecer.

Tal como já vos dei a conhecer Rimini  e Cinque Terre, além de toda a oferta que este País tem para oferecer e que eu gostaria de conhecer, para vos dar inspiração para fazer o mesmo; desta vez uma visita pelo Norte, onde visitei Milão, Bergamo, Lecco e Bolonha.

Perspectiva de Lecco com o lago di Como

 

Milão

A cidade de Milão é para mim a verdadeira capital da moda, embora Paris seja a mais famosa, penso que Milão ganha, talvez perdendo um pouco se falarmos de alta-costura.

Não só pelas lojas, mas como vejo os Italianos em geral e sobretudo aqui em Milão, com classe e sempre com um estilo impecável.

Apesar de não ser das mais ricas cidades em ofertas culturais, Milão foi de longe a cidade que mais visitei, devido às várias ligações que aqui já apanhei.

Estive aqui pela primeira vez em 2015, fiquei aqui 2 dias (penso ser mais que suficiente), onde conheci a maioria das ofertas, ficando depois muito mais vezes, ou por umas horas ou um dia, fazendo aqui ligação para outros destinos, visitando sempre mais um pouco da cidade.

 

Basilica di sant Ambrogio, Milão

 

Começando logo pelo coração da cidade e no mais emblemático local, temos a deslumbrante catedral Duomo (podemos chegar aqui de Metro pela linha vermelha, a M1 ou a amarela, M3, sendo a paragem do mesmo nome; aliás até tem um pequeno desenho com a catedral), esta catedral começou a ser construída em 1396, embora tenha demorado quase de 500 anos a ser finalizada, em 1965, é de estilo gótico feita em mármore branco rosa, mede cerca de 157 metros de comprimento e cerca de 108 de largura, chegando a ter um máximo de quase 45 metro de altura, sendo apenas ultrapassada pela catedral de Beauvais, tem cerca de 40 pilares e conta com cinco naves; podemos visitar esta imponente catedral que é a sede da Arquidiocese da cidade, sendo que os bilhetes começam nos 10€; 15€ subindo pelas escadas e 20€ pelo elevador, mais informações no site oficial.

 

Catedral Duomo, Milão

 

Aqui ao lado desta catedral, na magnífica praça Duomo, temos as galerias Vittorio Emanuele II, que é o Shopping mais antigo de Itália, o nome é em homenagem ao primeiro Rei de Itália. Foi construído entre 1865 e 1877, era frequentado por burgueses sendo um local de luxo da cidade, vale sem dúvida admirar esta beleza toda atravessando os seus corredores onde temos vários restaurantes e lojas de luxo e com um belo arco em vidro que dá uma iluminação natural.

Bem próximo das galerias está o famoso teatro Scala, é a casa de ópera mais famosa do mundo, foi construído entre 1776 e 1778, por certo para amantes de teatro a visita valerá a pena, podemos visitar o museu que aqui se encontra, sendo o preço de cerca de 9€; podem consultar a programação do teatro e /ou bilhetes para o museu no site oficial.

 

Bairro Navigli, durante o dia, Milão

 

Bairro Navigli durante o dia, Milão

 

Ainda temos um punhado de museus e outros locais para visitar muito próximo do teatro Scala, tais como a “Gallerie d’italia”, a Igreja “S. Fidelis”, o “palazzo Marino”, entre outros.

Para quem como eu adora moda, podemos caminhar por esta zona (entre o teatro e catedral para o lado do Palazzo Matteotti), onde temos o bairro da moda, o “Quadrilatero della moda”, fica entre as ruas “montenapoleone”, “manzon”, “della spiga” e “corso venezia”, acho vale a pena admirar aqui a fantástica moda Milanesa, e ver lojas em belos edifícios, além de claro ter um enorme leque de ofertas, podemos aqui rechear um pouco mais o nosso guarda roupa.

 

Castello Sforzesco, Milão

 

O “Castello Sforzesco”, fica a cerca de 1km da praça duomo, ou na linha M1- vermelha de Metro; o castelo está inserido no belo parque Sempione, o castelo é um dos maiores da Europa que acaba por ser um complexo de fortificação, as suas origens remontam a 1358-1368. A entrada no castelo em si é gratuita tendo depois os museus em que a entrada já é paga, sendo o bilhete de 5€; no site oficial podem obter todas as informações. Se puderem visitem também à noite pois fica com uma beleza fantástica.

Neste belo parque onde se encontra o castelo ainda temos para visitar o ” Acquario civico di Milano”, os bilhetes custam cerca de 5€, mas encontra-se fechado devido à pandemia; a Torre Branca também vale a pena visitar, o elevador sobe até ao topo, e fica aí por uns segundos para admirar a vista magnífica sobre a cidade e tirar umas fotos, a torre tem cerca de 108 metros de altura e é feita de estrutura metálica, no site oficial temos toda a informação e o link para comprar os bilhetes que custam 6€.

Ao fundo deste parque temos outro local de referência, o “Arco della Pace”, construído entre 1806 e 1859, tem cerca de 25 metros de altura e 24 de largura, em granito Baveno e com revestimentos de mármore Crevola, sendo um belo monumento neoclássico.

 

Arco della Pace, Milão

 

A Basílica “Santa Maria della Grazie” é outro local de destaque, onde além desta bela basílica, temos do lado esquerdo da praça, o museu onde temos a Última Ceia, de Leonardo Da Vinci, é património Mundial da Unesco e podemos admirar a pintura por 15€, no site oficial podemos consultar os horários, a paragem de metro mais próxima é a “conciliazione”, na linha vermelha, M1.

Outra Basílica de destaque é a de “San Ambrogio”, que é o padroeiro da cidade, esta bela basílica que foi reconstruída no século XI, pode ser visitada gratuitamente, podemos chegar aqui de Metro pela linha verde, a M 2, fica também apenas a cerca de 1,5 km da praça duomo.

Entre várias outras atrações que podemos descobrir por esta cidade que merece pelo menos dois dias de visita, temos ainda o museu Pinacoteca que tem entrada gratuita, mas embora tenha de ser reservada.

Destaque para um local que gostei bastante e que é o local de maior diversão noturna da cidade, é uma réplica de Amesterdão em Milão…parece piada mas é verdade temos um canal em Milão, o bairro de “Navigli”, é sem dúvida um local de visita obrigatória, além de um espírito noturno fantástico, parece que estamos num local diferente, aquando de uma das minha visitas, fui com um grupo de Portugueses que estavam no meu Hostel e que curiosamente iam também tal como eu para a Albânia, viemos até aqui beber algo e comer comida de rua que por ali há; uma experiência que recomendo.

Aqui podem também provar uma das maiores iguarias típicas Milanesas, a “Polenta”, a de milho é a mais tradicional, tendo como acompanhamentos principais os cogumelos, carnes assadas, entre outros.

 

Acquario civico di Milano

 

Outro local que devem visitar são as pizzarias Spontini as pizzas são fantásticas e por norma há filas para comprar fatias das variadas pizzas, embora claro que aqui a maioria das pizzarias são de qualidade superior ao que estamos habituados.

Para os amantes de Futebol temos o mítico estádio de San Siro que abriga dois clubes, o Inter de Milão e o AC Milan, dois clubes históricos e com uma história enorme no mundo do futebol, o estádio ao contrário do que sucede em Portugal pertence à cidade e não os clubes, podemos visitar este fantástico estádio os bilhetes são de 18€ podendo comprar os bilhetes no site oficial, para chegar aqui podemos ir de Metro pela linha roxa, M5, sendo a paragem a de San Siro.

Recomendo dois locais de hospedagem, um deles é o Mio Hostel, tem a vantagem de estar  perto da estação de comboios “Lambrate” (podemos subir ou descer aqui em vez da estação central fs), outro excelente hostel onde estive foi o New generation Hostel Città Studi, fica próximo da estação de Metro “Piola”, linha verde,M3.

No site de turismo de Milão, ou no da região da Lombardia, podemos obter informações relevantes; no site de transportes da cidade podem consultar os horários e planear a viagem, os bilhetes simples são de cerca de 2€, dependendo das zonas, mas é o praticado no centro.

 

Bergamo

Caso cheguem pelo aeroporto de Milão-Bergamo devem fazer aqui uma pequena visita, ao saírem do aeroporto têm o bus público local (está sinalizado, salvo erro é a primeira paragem de bus a começar do lado esquerdo, é a linha nº 1), o bilhete custa cerca de 2.5€; demora 15 minutos até á estação central e logo de seguida no centro da cidade, depois no funicular e chega à “città Alta” ao fim de cerca de 30 minutos.

Basicamente esta cidade está dividida em dois, o seu centro com a estação de comboios próxima e onde está praticamente tudo e na “città alta” que é a parte mais interessante de visitar, esta é parte mais antiga e que se encontra mais alta, daí ser designada assim; eu para além de algum desconhecimento na altura e de como estava com a minha mala decidi ficar pelo centro, para estar mais próximo da estação de comboios, onde seguiria depois para Lecco.

Na Città alta entre outros temos a “Piazza Vecchia”, a “Basílica santa Maria Maggiore”, a “Fontana del Lantro” e mais algumas relíquias que podem visitar.

Caso tenham o voo mais tarde podem vir até esta cidade pois merece um par de horas de visita em especial na zona mais antiga e alta; podem inclusive subir do centro até à parte antiga de funicular.

No centro ainda podem visitar algumas coisas e por exemplo comer aqui pois os preços são melhores, partindo depois para a parte mais histórica.

Uma opção é, caso estejam por Milão e o voo por exemplo a meio da tarde, podem dormir em Bergamo e fazer uma visita durante o dia, assim podem deixar a bagagem no Hotel para poder fazer uma visita mais tranquila.

No site oficial de turismo podem obter mais informações.

 

 

Bergamo

 

Bergamo

 

Lecco

Podem chegar aqui de comboio, eu vim desde Bergamo, numa viagem que demorou cerca de 40 minutos, com o custo de 3.60€;  para Milão a viagem demora cerca de  40 minutos e custa cerca de 5€.

Lecco é uma forma económica e rápida de podermos admirar o belíssimo lago di Como; embora as cidades de Tremezzo, Menaggio ou Bellagio, sejam mais populares vale a pena passar aqui um par de horas, eu como tinha voo no dia seguinte para de Milão para Corfu e como já estive várias vezes em Milão dividi o dia metade em Bergamo e outra metade em Lecco; acho que pode ser uma boa programação; basicamente aqui começa o lago di Como, temos aqui barcos, tours entre outras ofertas para visitar a cidade e toda esta bela zona montanhosa com este belo pano de fundo que é o Lago Di Como, no site oficial de turismo ou no site de turismo do próprio lago podem ver muitas ofertas, por exemplo se tiverem tempo além de alugar um barco podem por exemplo ir até Menaggio de barco, dependendo do tempo e o que pretendem; podem passar aqui pelo menos dois dias ou três dias na zona do Lago Di Como.

 

Lago di Como, Lecco

 

Lago di Como e perspectiva de Lecco

 

De qualquer forma, caso tenham um voo mais tardio, podem vir aqui nem que seja para passear um pouco, tomar um belo café Italiano à beira do Lago e/ ou almoçar nesta pequena e encantadora cidade.

Desde o seu centro histórico com monumentos do século XIX, a sua bela praça 20 de setembro e a torre “Viscontea” e a Basílica de “S. Nicoló”, entre outras pequenas pérolas que podemos descobrir antes de partir para junto do lago e deslumbrando-nos com este belo lago rompendo as montanhas; para mim foi uma tarde bem passada.

 

Basilica S. Nicoló, Lecco

 

Torre Viscontea, Lecco

 

Interior Basilica S. Nicoló, Lecco

 

Bolonha

A cidade de Bolonha visitei apenas de passagem, mas se puderem tentem pelo menos um dia inteiro, esta bela e muito antiga cidade universitária merece uma visita.

Podem facilmente chegar aqui de comboio vindo de Milão, ou claro pelo seu aeroporto.

Podem conhecer a parte mais importante desta cidade caminhando, eu guardei o meu saco de viagem na estação central e visitei a cidade talvez em 5h, não digo que seja o ideal, mas já dá para conhecer muita coisa.

Chegando à estação central de comboios, ficamos a cerca de 1km e meio da sua principal praça, a “Piazza Maggiore”, podemos seguir a pé pela “via dell’indipendenza”, ou podem ir directamente de bus 27 ou 25 no site de transportes podem ver os horários ; apenas até aqui pode valer a pena vir de transportes, pois uma vez aqui, a maioria das  atrações encontra-se próxima.

A “piazza Maggiore”, é uma praça central, das mais antigas e a mais importante desta parte antiga, a partir daqui encontramos as principais atrações da cidade; Nesta praça temos os principais pontos políticos e religiosos da cidade;  destaque desde logo para uma das maiores basílica de Itália, a Basílica de San Petrónio; tem cerca de 132 metros de comprimento, começou a ser construída em 1390 e foi terminada em 1659 (apesar de não ter ficado acabado conforme o projeto), em parte com enormes mármores e a parte superior numa espécie de tijolo escurecido, o seu interior é magnífico e muito imponente, podemos visitar gratuitamente esta imponente basílica.

 

As duas torres de Bolonha

 

Nesta bela praça temos ainda o “Palazzo d’Accursio” ou (“Palazzo Comunale”), que na verdade é um conjunto de edifícios, de anos diferentes que se estende até á praça Neptuno (fica ao lado da praça Maggiore e nesta praça Neptuno, temos ainda a fonte de Neptuno que também merece a visita); do lado esquerdo temos uma torre do relógio; a outra parte (já do século XVI), onde junto do portão de entrada temos a estátua em bronze do Papa Gregório XIII, que foi o criador do calendário gregoriano; neste momento o palácio é um polo cultural da cidade podendo visitar várias salas como as “d’ercole”, “Boshereccia”, “galeria del senato”, o museu “morandi”, entre outros como uma grande escadaria que servia para os cavalos poderem subir. Podemos visitar algumas partes do palácio gratuitamente, sendo pago para uma coleção de arte e para a torre do relógio, neste momento não é possível comprar os bilhetes, mas podem consultar no site de turismo ou no site do município de Bolonha onde podem obter mais informações.

 

Pallazo comunale, Bolonha

 

Palazzo della Mercanzia, Bolonha

 

Na piazza Maggiore ainda temos o “Palazzo del Podesta”, começou a ser construído em 1200 e servia para hospedar a “Podestá”, que na idade média se chamava aos mais altos cargos do estado no centro e norte de Itália, o Palácio conta ainda com a torre sineira “torre del’Arrengo”, que no século XV passou a ter um sino com quase 5 toneladas, que toca apenas e certos eventos; pelo que me disseram, é possível visitar, mas apenas quando há exposições.

Praticamente aqui ao lado temos o “Palazzo Re Enzo” este palácio foi construído em 1246 (embora no site diga desde 1245, nas discrição diz que foi terminado em 1246), tem o nome devido a ter sido a residência do Rei Enzo da Sardenha que foi prisioneiro da batalha de Bossalta, foi restaurado em 1905, pode ser visitado  aquando de exposições e eventos.

 

Palazzo comunale, Bolonha

 

Palazo del Podestá, Bolonha

 

Interior Archiginnasio, Bolonha

 

A biblioteca Salaborsa (que já fica na praça Neptuno), é a principal Biblioteca desta região, “Emilia-Romanha”, apercebem-se disso pois logo nos comboios está  inscrito isso notando que pertencem a esta região Italiana, podem visitar esta enorme Biblioteca caso sejam amantes de livros e não só claro.

O mercado antigo (quadrângulo) basicamente é um bairro onde se concentra o mercado com pequenas ruas repletas de loja e bancas com frutas, legumes, etc.

No local coberto temos o mercato “di Mezzo”  que foi remodelado em 2014, aqui também podemos comprar produtos locais, toda esta zona fica também próxima da Piazza Maggiore, é normal ver por aqui estudantes que vêm aqui comprar alimentos, ou comer algo nos restaurantes e pequenos espaços ali existentes.

Por trás da Basílica S. Petrónio destaque também para um dos palácios mais importantes da cidade o “Archiginnasio”, é a sede da biblioteca municipal desde 1838, data do século XVI, para visitar o bilhete custa 3€ no site podem obter mais informações, também faz parte deste palácio o teatro Anatómico.

 

Basilica di San Petronio, Bolonha

 

Basílica de S; Stefano; Bolonha

 

As duas torres de Bolonha são sem dúvida um marco da cidade, confesso que me surpreendeu bastante, pois a sua inclinação e os reforços em metal fizeram-me crer que isto estava com problemas, mas afinal era mesmo assim…. As torres “Garisenda” e “Asinelli”.

A torre Garisenda que tem esta inclinação mais acentuada devido à cedência dos terrenos na sua construção, sendo inclusivamente reduzida na sua altura, tendo cerca de 48 metros; a Asinelli, data do século XII, tem cerca de 97 metros de altura, sendo a torre em tijolos mais alta de Itália, eu não visitei por falta de tempo, mas se quiserem contemplar uma vista fabulosa sobre a cidade (podem ver mais torres pois há muitas mais pela cidade), têm de subir muitas escadas, cerca de 500 degraus pelo que se consta, o bilhete custa 5€, podem consultar e comprar no site oficial e penso que no local há uma máquina para o efeito.

Próximos das torres temos o “Palazzo della Mercanzia” data de 1391 e é a sede do comércio, agricultura, indústria e artesanato, as visitas apenas nos corredores (penso que grupos podem fazer reservas).

 

Fonte Neptuno, Bolonha

 

Estreita rua em Bolonha

 

A cerca de 600 metros da Piazza Maggiore, temos a basílica de Santo Stefano (e a praça com o mesmo nome), que na verdade é um complexo de edifícios religiosos que também são chamadas sete igrejas “sette Chiese”, sendo que além de diferentes, foram construídos em épocas diferentes; a igreja de maior destaque é a Igreja do crucifixo,  vale sem dúvida visitar este conjunto de igrejas, recomendo e a entrada é grátis, tendo apenas um local para fazer doações (não custa nada dar uma contribuição).

De volta à estação central passei pelo parque “della Montagnola”, que é o mais antigo da cidade, fiz aqui uma pausa depois de uma longa caminhada, o parque é muito agradável.

 

Uma das ruas de Bolonha

 

Teatro Anatomico, Bolonha

 

Praça em Bolonha

 

Praça e fonte Neptuno, Bolonha

 

Piazza Maggiore, Bolonha

 

Ainda entre outros podemos ver ainda a Basílica de estilo gótico, ” santa Maria dei Servi” começou a ser construída em 1393, a entrada é gratuita, tendo também um pórtico.

Podemos deslumbrar nos com muitos mais edifícios e locais bonitos e bem antigos nesta cidade, principalmente dentro das suas muralhas, o centro antigo, onde temos mais  para ver. Sendo de passagem ou não vale a pena visitar esta cidade histórica, descarreguem um mapa offline e depois usem com o GPS, penso ser o ideal.

 

Basilica S. Stefano, Bolonha

 

Basilica S. Stefano – Bolonha

 

Para os amantes de motas temos o museu da Ducati o bilhete custa 17€ (fica ligeiramente afastado do centro da cidade)

A gastronomia em Itália tem sempre presente a massa (“pasta”), um dos pratos típicos de Bolonha é o “Tagliatelle al Ragu”, que é o nome aqui dado a esse famoso molho de bolonhesa, notem que aqui serve-se assim e não com esparguete; as  tortellinis recheadas, sendo as mais tradicionais com presunto, porco ou mortadela, são servidas como se fosse um caldo com estas massas, claro que a mortadela ou o presunto entre outros produtos que são um pouco transversais a toda a Itália são sempre de grande qualidade, caso façam apenas um lanche, ou algo mais rápido, nada como ir ao mercado antigo, e comer produtos locais ou pequenas refeições, os preços são em conta daí os estudante e trabalhadores  virem aqui.

Viagens felizes

 

Dicas e Notas:

Temos muitos voos diretos, quer para Milão ou para Bolonha.

Para Milão – Bergamo, temos pela Ryanair do Porto, Lisboa e Faro; pela Easyjet para Lisboa

MIlão – Malpensa, pela Ryanair para o Porto; pela Wizz Air para Porto e Lisboa

Para Bolonha, pela Ryanair do Porto e Lisboa.

Claro que a TAP também tem voos para estas cidades embora a oferta não seja tanta; mas podem consultar pois por vezes pode compensar no preço ou nos horários.

 

Centro de Lecco

No aeroporto de Bergamo para Milão temos várias operadores de Bus : Terravision; Autostradale; OrioShuttle, os bilhetes custam cerca de 8€ e demoram cerca de 50 minutos, na saída estão todos alinhados e podem comprar os bilhete localmente, ou mostrar no smartphone caso tenham comprado online  (também temos pela flixbus, mas tem menos horários e já custam 10€).

Caso optem pelo aeroporto de Malpensa, o tempo de viagem é sensivelmente o mesmo mas os bilhetes custam 10€, as operadoras são as mesmas, com excepção do Orio Shuttle, aqui ser Malpensa Shuttle.

 

Estação em Lecco

 

Do aeroporto de Bolonha para o centro da cidade, temos a linha de bus 944 que faz a ligação em cerca de 15 minutos (até á estação central de Bolonha), custando o bilhete 6€ (Site oficial). Outra opção agora recente é uma espécie de “metro express”, que demora apenas cerca de 7-8 minutos e custa 8.7€ no site oficial podem obter mais informações.

 

Centro Bergamo

 

No site oficial, podem consultar todas as opções de comboio, para Milão, Bolonha e Lecco. Os comboios em Itália funcionam muito bem, e com vários horários, muito superiores aos nossos, recomendo, pois podem descobrir boa parte de Itália neste meio de transporte.

O comboio de Milão para Bolonha tem várias opções, mas sendo direto, demora entre: 2h; 2,5h; 3h sendo os bilhetes entre: 39€; 20€; 17€ , vejam horários e toda a informação no site da Trenitalia. Também podem ir de bus, pela Flixbus, demora cerca de 3h também e os bilhetes ficam entre 12€ e 20€, notem é que as paragens não são tão centrais, mas também é uma boa opção.

No geral estas cidades são mais caras que em Portugal, tentem fugir das zonas mais turísticas; por norma fala-se inglês em todo lado e dado que a barreira linguística não é assim tão grande (caso tenham algumas noções de Espanhol ajuda), podem se aventurar e descobrir locais mais tradicionais e em conta.

Em Itália a moeda é o Euro, o fuso horário é de mais uma hora, o indicativo telefónico é +39 e o domínio de internet é .it

 

Para alojamento em Itália» Reserve Aqui

 

Reservas (click):

Booking – Alojamento

Get Your Guide– Tours, entrada em monumentos

Bestravel- Promoções de viagem

Rental Cars- Aluguer automóvel

Revolut- Cartão bancário sem taxas

Amazon– Artigos de viagem

 

 

 

João Almeida

Chamo-me João Almeida, moro em Sintra (Portugal), e sou um AMANTE DE VIAGENS. Uma paixão que existe faz longos anos. A minha missão com esta página é de ajudá-lo a realizar o seu próximo destino! Saiba mais sobre mim e sobre o site.

Segue-nos nas redes sociais:

RESERVA DE HOTÉIS

Booking.com

Categorias

PROMOÇÕES DE VIAGENS

ARTIGOS DE VIAGEM

SEGURO DE VIAGEM

BILHETES PARA ACTIVIDADES

GOOGLE TRANSLATE

GRUPO FACEBOOK AMANTES DE VIAGENS