MENU
22 Jan

DANÚBIO “AZUL”: VIENA E BRATISLAVA

 

Danúbio “azul”: Viena e Bratislava

Texto & Fotos de Mário Menezes

 

O segundo maior rio da Europa, o Danúbio com quase 3.000Km de extensão é talvez o rio mais conhecido no Mundo. A mais famosa valsa de Johann Strauss (filho) que no primeiro dia de todos os anos, ouvimos tocar nas TVs catapultam-nos para o centro da Europa, onde a música tem fortíssima presença. Em solo Austríaco vieram ao Mundo nomes como Wolfgang Amadeus Mozart, Johann Strauss (filho e pai), Michael Haydn, entre muitos outros, o que torna a Áustria o país da música.

A mais famosa  valsa de Strauss (filho), afirma em contexto figurado que o Rio Danúbio é azul. Se visitarem estas cidades no Inverno irão concluir que o Rio Danúbio é tudo menos azul. Branco em grande parte pois em muitos troços ele congela, acinzentado também. No Verão, dizem que é verde.

O Danúbio que nasce na Alemanha e desagua na Roménia, banha várias cidades, sendo algumas capitais do Centro e Leste Europeu, como é o caso de Belgrado, Bratislava, Viena e Budapeste, sendo estas duas últimas as mais importantes e famosas pela posição geográfica que ocupam, pela sua beleza cénica e pela sua oferta cultural.

 

Viena-Palácio de Schönbrunn

 

Depois de no ano anterior ter visitado Praga, “o bichinho” desta zona da Europa ficou em mim “entranhado”. Impunha-se que no ano seguinte este fosse o meu destino.

Outrora território do Império Austro Húngaro, aquela região da Europa, é hoje um conjunto de países cujas fronteiras ainda há poucos anos se definiram e constitui o que de melhor que existe no “Velho Continente”.

 

Viena-Áustria

 

Viena (3 noites)

A cidade que marcou o dia em que passaram 35 anos que vim ao Mundo.

Das 3 maiores Capitais do centro da Europa, Viena pode até perder em beleza para Praga e Budapeste, mas ganha em museus e monumentos. De todas, é a cidade mais cara e com nível de vida mais alto. Cidade bastante desenvolvida e limpa, com excelentes meios de transporte onde o metropolitano e a rede de modernos elétricos (tram) marcam presença e permitem facilmente e com prazer viajar dentro da cidade.

 

Viena-Ringstrasse

 

Tida como capital Mundial da Música, na nossa passagem por Viena, é obrigatório assistir a um espetáculo musical. A cidade possui inúmeros locais (alguns para turista ver…) onde é possível fazê-lo, mas os mais importantes são a Casa de Ópera que é considerada das 5 melhores do Mundo, juntamente com o “Scala” de Milão, a Ópera “Garnier” de Paris, a “Royal Opera House” de Londres e o Teatro “Colón” de Buenos Aires, tendo em conta o reportório e a qualidade acústica da sala. Visitar o edifício da Ópera de Viena é importantíssimo. Fica na “Ringstrasse”,a avenida, que é circular, e a mais importante do centro da cidade. Aliás, o edifício da Ópera foi o primeiro desta avenida a ser finalizado. A visita guiada ao seu interior passa entre outros locais pelo hall de entrada, a escadaria principal, o auditório que possui capacidade para 2.800 espetadores, o palco, os cenários e os seus sistemas mecânicos de acionamento, o salão de chá onde Francisco José descansava durante os atos e a Sala de Mármore. Sendo Viena uma cidade cara, a Ópera é tido como um espetáculo para todas as bolsas, existindo bilhetes na ordem dos 200€ mas também é possível adquirir bilhetes a 3€, 4€ ou 6€ em alguns lugares de pé, colocados à venda duas horas antes dos espetáculos. Mesmo sendo em pé, estes lugares não são de todo desconfortáveis, pois o espetador fica recostado em poltronas especiais que se podem observar durante a visita guiada.

 

Viena-Burggarten-Estátua de Mozart

 

Em direto de Viena, todos os anos assistimos ao Concerto de Ano Novo nas TVs, que ocorre no Musikverein. Transmitido para todo o Mundo, o Concerto termina sempre ao som da marcha “Radetzky”  de Johann Strauss (pai) com o público presente na sala acompanhando com palmas. Situado também na Ringstrasse, a poucos metros do edifício da Ópera, é sede da Orquestra Filarmónica de Viena, considerada a melhor do Mundo. No interior, a sua  famosa Sala Dourada, é considerada das 3 melhores salas de concerto do Mundo, juntamente com a “Concertgebouw” de Amsterdão e a “Carnegie Hall ” de Nova Iorque. Para visitar o interior do Musikverein a melhor forma é mesmo assistir a um concerto, pois as visitas guiadas não são diárias. Os bilhetes para os concertos podem ser obtidos online, antes de viajar, o que se recomenda, dada a enorme procura.

 

Viena-Opera

 

Viena-Musikverein

 

Viena-Musikverein-Sala-Dourada

 

Pela Ringstrasse se situam grande parte dos edifícios importantes da cidade, como é exemplo a  Câmara Municipal “Rathaus”, o Parlamento Austríaco, o Museu de História Natural, o Museu de História da Arte, a Igreja Votiva,  o Palácio Hofburg. Mais afastado existe o Museu Albertina, de arte e também a Catedral de Santo Estêvão esta última situada no geográfico da cidade, podendo subir-se ao topo.

 

Viena-Rathaus

 

Viena-Parlamento

 

O Palácio Hofburg é um dos locais mais visitados. No interior encontra-se o famoso Museu da Sisi, sobre a vida da Imperatriz Isabel da Baviera, esposa de Francisco José. Desde o seu nascimento em Munique  até sua morte trágica, assassinada em Genebra. Estão ali expostos diversos objetos pessoais, vestidos e retratos.  Os Apartamentos Imperiais é a outra parte importante da visita.

 

Viena-Palácio de Hofburg-Museu da Sissi

 

Viena-Palácio de Hofburg

 

Em conjunto com o Palácio de Hofburg, o Palácio de Schönbrunn faz parte do mesmo “pacote turístico”. Adquirindo o “Sisi ticket” poderemos visitar ambas as atrações e também o Museu do Mobiliário Imperial, este último na minha opinião com pouco interesse. Além do “Sisi ticket”, é importante adquirir o “Vienna City card” pois o mesmo proporciona viagens ilimitadas na rede de transportes e também descontos nas entradas em inúmeras atrações turísticas.

O Palácio de Schönbrunn foi o local escolhido para a manhã do dia do meu 35º aniversário. Nestes dias no centro da Europa caíam enormes quantidades de neve que chegaram a paralisar o tráfego aéreo. Felizmente não tinha planeado viajar de avião nos 4 dias seguintes!  Este foi o meu primeiro (e único até hoje) aniversário com neve a cair e ficou também registado como o segundo dia da minha vida em que vi nevar. A primeira vez tinha feito no dia anterior, 3 anos, estava eu em Milão. Nessa altura a neve era fraca, do tipo que se derrete quando cai no solo. Neste dia a neve era mesmo forte e cobria as ruas das cidades de branco. A minha melhor prenda de aniversário! E branco estavam os jardins do Palácio de  Schönbrunn! O edifício principal de cor amarela, e ao fundo o edifício da Gloriette, onde em tempos, o  imperador Francisco José tomava o pequeno-almoço. Lá de cima, junto à  Gloriette, a vista para a cidade de Viena, mesmo com fundo branco, não passava despercebida.

 

Viena-Palácio de Schönbrunn – Vista desde a Gloriette

 

Mas foi mesmo a visita ao interior do Palácio que me encantou. O Palácio de Schönbrunn, antiga residência de verão da família imperial,  também chamado o “Versalhes” de Viena, é a atração turística mais visitada da cidade. A visita é muito completa e com áudio guia em Português. A queda do regime da Monarquia e a ascensão dos Republicanos. Lá como cá, as revoluções foram sangrentas. O Império Austro-Húngaro desmembrou-se e Francisco José I morreu em 1916, ali no Palácio de Schönbrunn. Carlos, seu sobrinho, o seu sucessor terminou os seus dias exilado na Ilha da Madeira.

 

Viena-Palácio de Schönbrunn- jardins Fonte de Neptuno

 

Viena-Palácio de Schönbrunn -Gloriette

 

Viena-Palácio de Schönbrunn-Ao fundo a Gloriette

 

Menos visitado mas não deixa de ser importante é o Palácio Belvedere. Ali está exposta a obra mais famosa de Gustav Klimt, “O beijo”. Pintor Austríaco que teve vários filhos e várias mulheres mas consta que nunca casou. Morreu aos 55 anos, consequência de um AVC. Deixou várias obras por terminar que estão expostas numa sala ao lado. “O beijo” ocupava lugar de destaque no último piso da exposição, numa sala exclusiva, sempre vigiada por uma funcionária visto ser não permitido fotografar a obra. O complexo do  Palácio Belvedere  merece ser visto, pois trata-se de uma zona com edifícios lindíssimos e que proporciona boas vistas sobre a cidade.

 

Artigo decorativo com a imagem da obra “The Kiss” de Gustav Klimt

 

Viena-Palácio de Belvedere

 

A Cidade da ONU foi o programa da tarde do dia do meu aniversário. Fica localizada na parte moderna da cidade e com aparência futurista, depois de cruzarmos o Rio Danúbio de metro à superfície. Viena, juntamente com Nova Iorque, Genebra e Nairobi, é  um dos principais locais de instalação da ONU. Aquela zona é como um enclave estrangeiro dentro da cidade de Viena. Para entrar é necessário mostrar o cartão de cidadão ou o passaporte e passar por um controlo de segurança. O Governo Austríaco sendo proprietário daquele local, cobra uma renda simbólica à ONU, visto na Áustria existir uma lei que prevê que a ocupação de uma propriedade sem qualquer contrato de arrendamento escrito, ao fim de um determinado período temporal, dá ao “inquilino” o direito de posse da mesma. A visita guiada é em Inglês, a língua oficial ali praticada, inclui passagens pelo auditório, pela sede da Agência Internacional de Energia Atómica. No interior existe também exposta uma pedra lunar. No exterior, existe o sino da paz Japonês que toca duas vezes por ano.

 

Viena-Cidade da ONU-Sino da Paz

 

Viena-Cidade da ONU-Sede da Agência Internacional de Energia Atómica

 

Viena-Cidade da ONU

 

Viena é uma cidade com lindos parques e jardins, como por exemplo o Burggarten onde está localizada a estátua de Mozart. O Prater é outro parque famoso na cidade. Ali existem vários casinos, cafés e restaurantes e também um parque de diversões, uma feira popular, com uma famosa roda de milénio, que se encontra encerrado, pois era Inverno.

Mas é pelo Estádio de futebol Ernst-Happel que esta zona da cidade é conhecida Mundialmente. Palco de jogos memoráveis para o futebol Mundial e também para o futebol Português. Ali realizaram-se várias finais da Champions. Em 1987, foi ganha pelo FC Porto contra todas as expetativas ao todo poderoso Bayern Munique com um dos golos marcado de calcanhar por Rabah Madjer. Em 1990,o  Benfica perdeu ali uma das finais desta competição, com o AC Milan, a melhor equipa do futebol Mundial na altura, com Van Basten, Gullit e Rijkaard, Franco Baresi e Maldini. O Ajax em 1995 também se sagrou ali campeão Europeu perante o poderoso AC Milan. Patrick Kluivert um adolescente de 18 anos foi o herói desse jogo. Uma equipa de sonho em que vários jovens figuravam. Edgar Davids, Seedorf, Van Der Sar, De Boer (Frank e Ronald) ou Overmars. Em 2008 ali se realizou a final do Campeonato da Europa, com Fernando Torres a dar o título à Espanha, “La Roja” perante a Alemanha. O “tiki taka” aí começou a encantar o Mundo, com Xavi e Iniesta, e Casillas na baliza. Tive oportunidade de entrar e posar com o topo do estádio onde todos esses golos decisivos foram apontados.

 

Viena-Estádio Ernst Happel

 

Viena-Estádio-Ernst-Happel

 

Viena é famosa pelas suas salsichas, mas sobretudo pelo “Wiener Schnitzel”, um panado de porco que originalmente é frito em banha. O Imperador Francisco José era um “bom garfo” e um enorme apreciador desta iguaria, já a sua mulher, a Sisi, sofria de problemas de anorexia…

 

Viena- Schnitzel-especialidade típica

 

Viena-Sachertorte-famosa torta

 

Quanto à doçaria, a “Sachertorte” é rainha e desde 1832 é fabricada! Um bolo de chocolate famoso, servido num café “fino” pertencente ao luxuoso Hotel Sacher. Ir  a Viena é obrigatório provar uma  “Sachertorte” assim como para quem visita Lisboa, provar um Pastel de Belém!

 

Viena-Hotel Sacher

 

Links

Danúbio Azul – valsa de Johann Strauss Jr

Marcha “Radetzky” de Johann Strauss, encerrando um Concerto de Ano Novo no Musikverein

Final da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1987

Final da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1990

Final Liga Campeões Europeus de 1995

Final Campeonato da Europa de 2008

 

Viena-Áustria

 

Bratislava (1 noite)

 

A capital da Eslováquia tem uma localização geográfica sui generis. Fica muito perto das fronteiras com a Áustria e com a Hungria. Localiza-se a cerca de 80Km de Viena, pouco mais de uma hora de comboio. Não é uma cidade propriamente bonita ou importante e que mereça ficar muito tempo. Normalmente é visitada desde Viena num bate volta, ou de passagem entre Viena e Budapeste. Os Eslovacos, confirmam que o seu país é tido como um país com muitas coisas interessantes para conhecer, mas a capital, é o seu parente pobre.

Em Bratislava passei uma tarde e dormi uma noite. As poucas horas de sol, foram aproveitadas passeando pelo seu centro histórico que é pequeno e se percorre facilmente a pé.

 

Bratislava-Manhã com muita neve

 

O Castelo é um local concorrido, no entanto encontrava-se encerrado. A minha opção alternativa acabou por ser a subida ao miradouro da Ponte Nova (Nový Most), uma das pontes que atravessa o Rio Danúbio,  rodoviária com via para peões. Lá no bar, com um copo de vinho Eslovaco o momento ficou bem marcado! Do alto, a vista para a cidade, podemos ao longe vislumbrar a Hungria e a Áustria e ao perto a Ponte Velha, por onde circulam veículos elétricos (trams) e peões.

 

Bratislava-Castelo

 

Bratislava-Ponte Nova

 

Bratislava-Ponte Nova-Bar no topo brinde com vinho Eslovaco

 

Bratislava-Rio Danúbio-vista para a Ponte Velha

 

Os elétricos (trams) são um meio de transporte importante na cidade, pois chegando à Estação Central (Hlavná stanica) com malas, para aceder ao nosso hotel, é necessário transporte. E se as ruas estiverem cobertas de neve, ainda mais!

 

Bratislava-Teatro Nacional

 

O hotel onde fiquei, atualmente já não existe ou melhor agora é um lugar abandonado! “Hotel Kyjev”, um edifício de estilo Soviético que se destaca na paisagem. Foi inaugurado em 1973, como um hotel de luxo, para receber altos funcionários do Governo Soviético e visitas de pessoas importantes.  O conceito de luxo dos tempos soviéticos é diferente dos dias de hoje, e já na altura era tido como um hotel económico onde por 25€ era possível ali ficar com pequeno-almoço buffet incluído. A vista do quarto lá do alto, de manhã ao acordar encantou-me. A paisagem era branca pois nevava imenso!

 

Bratislava-Manhã com muita neve

 

Bratislava-Edifício do antigo Hotel Kyjev

 

Em Bratislava come-se muito bem, o porco é rei e a cerveja (a Checa é a mais vendida) é do melhor. Cidade bem mais barata que Viena. Recomendo pedir um “Bravčové koleno”, assim se chama por aqueles lados ao joelho de porco assado!

 

Bratislava-Bravčové koleno o joelho de porco assado

 

Dos 50 países estrangeiros que visitei, a Eslováquia foi dos 5 em que menos de 24 horas lá permaneci. Ressalta à vista as lindas mulheres locais, nesse aspeto é uma diferença abismal para Viena. Como eu compreendo Quentin Tarantino e a sua equipa quando escolheram este país para o filme “Hostel” em 2005…

 

Links  

Hostel (2005) – trailer

 

Para alojamento em Viena e Bratislava, consulte aqui.

 

Reservas (click):

Booking – Alojamento

Get Your Guide– Tours, entrada em monumentos

Bestravel- Promoções de viagem

Rental Cars- Aluguer automóvel

Revolut- Cartão bancário sem taxas

Amazon– Artigos de viagem

 

 

 

João Almeida

Chamo-me João Almeida, moro em Sintra (Portugal), e sou um AMANTE DE VIAGENS. Uma paixão que existe faz longos anos. A minha missão com esta página é de ajudá-lo a realizar o seu próximo destino! Saiba mais sobre mim e sobre o site.

Segue-nos nas redes sociais:

RESERVA DE HOTÉIS

Booking.com

Categorias

PROMOÇÕES DE VIAGENS

ARTIGOS DE VIAGEM

SEGURO DE VIAGEM

BILHETES PARA ACTIVIDADES

GOOGLE TRANSLATE

GRUPO FACEBOOK AMANTES DE VIAGENS