21 Mai

ROADTRIP PELA COSTA AMALFITANA DE ITÁLIA: AMALFI, POSITANO, CAPRI E RAVELLO

 

Roadtrip durante 5 dias pela Costa Amalfitana em Itália: Amalfi, Positano, Capri e Ravello

Texto & Fotos de Sylvia Pficher

 

A Costa Amalfitana já figurava na minha Bucket List há algum tempo. Certamente já viram as imagens icónicas de Positano (foto de capa) e as paisagens deslumbrantes das estradas curvilíneas em penhascos com vistas maravilhosas do mar que caracterizam esta costa, também conhecida como a Estrada dos Deuses. A sua beleza natural e diversidade, assim como os seus lugares incríveis com um significado cultural e arquitetónico muito relevantes, foram reconhecidos pela UNESCO e desde 1997, esta Costa foi classificada como Património Mundial da Unesco.

Há 4 anos comecei a gostar de viajar sozinha e desde aí tornou-se numa necessidade pelo menos uma vez por ano. Antes disso já tinha adiado viagens a alguns destinos, porque achava por exemplo que uma paisagem romântica seria mais adequada com a nossa alma gémea. No entanto, chegou o mês de outubro, eu queria um destino à beira-mar, algum lugar que ainda não tivesse visitado em Itália e pensei: porque não a Costa Amalfitana? Destino romântico e daí? Também posso divertir-me à grande sozinha (claro que sempre com as devidas normas de segurança e com uma atitude responsável). Resultado: reservei um voo para Nápoles e aventurei-me!

 

Positano – Itália

 

Eu fiz esta Roadtrip à Costa Amalfitana em finais de Outubro, que é uma das melhores épocas para se ir, os preços são moderados, há menos multidões, as estradas encontram-se praticamente vazias e ainda se apanha um tempo maravilhoso. Nesta viagem fui de carro de Nápoles a Amalfi, visitei Ravello (a minha recomendação – apresenta o panorama mais deslumbrante da Costa Amalfitana), Positano e fiz um passeio de barco a Capri, que vou descrever em pormenor com as minhas recomendações fancy habituais.

Nota: Eu fiquei sempre alojada no mesmo hotel em Amalfi, porque visitar cidades na Costa Amalfitana pode ser feito numa viagem de apenas um dia. Eu recomendo ficar em Amalfi porque aqui existem ligações mais fáceis de carro, autocarro, barco e no caso de aluguer de carros, há muitos mais lugares de estacionamento ou até mesmo hotéis com garagens/estacionamento privativo que não cobram uma fortuna.

 

A janela de Capri na praça principal de Capri

 

Vejamos o percurso que fiz:

 

Dia 1 – Nápoles – Amalfi

 

Eu voei até Nápoles (é o aeroporto mais próximo da Costa Amalfitana) e aluguei um carro no aeroporto. Optei por um carro automático na Europcar e foi a melhor decisão que tomei – por mais bela que seja a Estrada dos Deuses, às vezes poderá causar-vos alguns suores frios. Porquê?

 

  • Estradas muito estreitas, de tal forma que às vezes 2 carros não passam ao mesmo tempo
  • Condutores impacientes
  • Curvas, curvas e mais curvas
  • Condutores de motociclos que fazem ultrapassagens perigosas e bem malucas.Ao longo da autoestrada e mesmo tendo eu o GPS ativo, não há perigo de se perderem, pois a Costiera Amalfitana (SS 163) está muito bem sinalizada. Após conduzir durante cerca de 1h/1h30 (distância total de 60 km) pelas estradas maravilhosas entre penhascos, cheguei ao meu hotel – Bellevue Suite 3* e fiquei num quarto duplo incrível com varanda e vista mar. O hotel tinha estacionamento privativo, o que pode ser difícil na Costa Amalfitana e recomendaria mesmo como critério de pesquisa na escolha de hotéis – na maior parte dos casos é inexistente ou como no caso do centro de Amalfi, custa 5€/hora.

 

O Bellevue Suite é um hotel familiar. Os quartos estão muito bem decorados em tons de azul-marinho e no meu caso tive direito a vista mar, a varanda era enorme, o que vos permite contemplar uma vista fabulosa. O pequeno-almoço tinha ótimas opções, incluindo sumo natural de toranja e um produto típico da região – Mozzarela di Buffala Campana. O António, o filho do dono, era extremamente simpático, partilhou alguns insider tips comigo sobre o que fazer na Costa Amalfitana, onde comer bem e explicou-me um pouco sobre o negócio familiar.

 

Vista do meu quarto no hotel Bellevue Suite em Amalfi

 

Dia 2 – Amalfi

 

Após ter tomado um ótimo pequeno-almoço, comecei a explorar Amalfi.

 

Atrações principais:

  • Catedral de Amalfi (Duomo)
  • Belas ruas estreitas
  • Longos passeios à beira-mar

O que comprar:

  • Limões frescos de Sorrento
  • Azeite com limão
  • Massa artesanal
  • Bolo de limão com sorvete de limão
  • Limoncello

Restaurantes:

  • Al Cancelleto

 

Duomo di Amalfi – Catedral de Amalfi

 

Segui a recomendação do António e visitei este restaurante de uns amigos dele no centro de Amalfi na Piazza dei Dogi (nas ruas paralelas a esta praça há lindas lojas de souvenirs). Os donos deste restaurante são um jovem casal encantador. O seu pai é pescador, por isso tudo aquilo que pedirem será incrível e diretamente do mar! Jantei aqui 2 vezes e comi quer uma massa simples e muito saborosa com limão e anchovas, quer um robalo de mar grelhado com legumes grelhados. É um autêntico segredo de Amalfi, por isso tomem nota! Não é preciso agradecer, basta saborearem uma refeição maravilhosa neste restaurante em Amalfi como eu fiz.

 

Pôr-do-sol em Amalfi

 

Especialidades gastronómicas de Amalfi e Costa Amalfitana:

  • Massa fresca com limão  (Nunca pensei que um prato tão simples pudesse ser tão incrível, mas tendo em conta a qualidade dos limões da cidade de Sorrento e o quão sumarentos são, é sem dúvida um dos meus pratos preferidos. Por vezes a simplicidade é o melhor).
  • Massa fresca com marisco
  • Peixe grelhado com legumes
  • Anchovas
  • Mozzarella di Buffala Campana com tomates San Marzano e basílico
  • Bolo de limão com sorvete de limão
  • Sumo natural de limão  (bem ácido, bem fresco)

 

Dia 3 – Positano

 

No meu terceiro dia, decidi visitar a icónica cidade de Positano. Podem ir de carro, de autocarro ou de barco. Uma vez que o estacionamento é extremamente limitado em Positano, até mais do que em Amalfi, eu recomendaria irem de autocarro ou de barco. Eu fui de autocarro e demorou cerca de uma hora. Admiro os motoristas que percorrem a Costa Amalfi, pela sua experiência em conduzirem por estradas com paisagens tão únicas e por vezes perigosas.

Fui recebida em Positano com um belo dia soalheiro, as temperaturas chegaram aos 25C em finais de Outubro – que mais podia pedir?

Decidi explorar Positano, contemplar a sua arquitetura e beleza pitorescas e almocei lindamente num restaurante na praia.

 

Vista de Positano

 

Recomendações principais da Fancy Explorer:

  • Comprem sandálias de Positano – Certamente já viram as lindíssimas sandálias de Positano em pele. Desloquem-se a Positano com tempo e comprem umas sandálias artesanais feitas à mão por um preço tão acessível de €50 (tendo em consideração o trabalho manual e a qualidade da pele). O sapateiro tira as medidas do vosso pé e basta escolher o design do modelo. Foi espetacular poder observá-lo a moldar o design que escolhi com tanto cuidado e carinho. Optei por um tom clássico em azul marinho e ainda hoje são as minhas sandálias preferidas. Comprei na loja La Botteguccia.
  • Comprem vestidos e túnicas lindos de morrer. Um padrão muito comum inclui limões e cores muito vivas, o que considerei uma boa combinação para um estilo de férias.
  • Bebam sumo natural de limão num dos cafés na parte mais no alto de Positano. Irá custar-vos uma média de €7, o que é bastante caro para um sumo, mas posso garantir-vos que só pela vista valerá a pena.
  • Caminhem pela praia – Positano Spiaggia e almocem lá. Eu escolhi ao acaso um restaurante e comi muito bem – anchovas e massa fresca com limão.

 

Dia 4 – Capri

 

Um dos highlights da minha viagem incluiu uma viagem de barco pela famosa ilha cosmopolita de Capri. Parti de Amalfi e demorou cerca de 2h30 a chegar lá. Durante esta viagem de barco, o guia indicou-nos a localização secreta da villa da Sophia Loren – nem sequer sabia que tinha uma casa cá e realmente parecia um sonho. A ilha de Capri encontra-se dividida em 2 partes – Capri e Anacapri. A melhor maneira de a explorarem é sem dúvida de scooter, contudo também há autocarros que circulam em ambas as partes. Infelizmente na altura em que lá estive uma das suas principais atrações –   Blue Grotto (Gruta Azul) estava encerrada. No entanto acabei por caminhar durante várias horas pelas ruas lindíssimas e num dos principais locais para se tirar fotografias – uma janela idílica sobre a praça principal de Capri com uma visão panorâmica da ilha.

 

Marina de Capri

 

Falando honestamente, apesar de ter gostado de visitar Capri não considerei fascinante. Achei extremamente caro em termos de restauração e alojamento (mesmo em finais de Outubro). Por exemplo, um prato normal de massa fresca com marisco não se encontrava abaixo de €40. Pessoalmente, achei Positano muito mais pitoresco.

 

Pôr-do-sol em Capri

 

O que fazer/visitar em Capri:

  • Visita de barco
  • Visitar a Gruta Azul
  • Caminhar pelas praias
  • Praça principal de Capri
  • Marina de Capri
  • Trilhos pela ilha
  • Anacapri
  • Apreciar um belo pôr-do-sol!

 

Dia 5 – Ravello

 

No meu último dia optei por visitar Ravello, uma vez que não era longe de Amalfi (cerca de 10 km). Decidi ir de autocarro, porque fiquei assustada só de olhar para a estrada (curvas e mais curvas entre penhascos). Visitar Ravello foi uma bela surpresa e até hoje considero que esta cidade tem o panorama mais deslumbrante de toda a Costa Amalfitana.

 

Panorama de Ravello

 

O que fazer em Ravello:

  • Passear pelo centro e pelas praias
  • Visitar o Duomo di Ravello (Catedral)
  • Visitar a Villa Ruffolo – centro histórico e cultural de Ravello com jardins incríveis e uma vista soberba. Ravello é também a cidade da música e durante o verão decorre o Festival de Verão de Ravello em homenagem a Richard Wagner nesta villa incrível
  • (Se for possível) ficar alojado na Villa Cimbrone – um dos hotéis mais luxuosos e de prestígio da Costa Amalfitana com jardins lindíssimos
  • Tirar imensas fotografias

 

No dia seguinte regressei ao aeroporto de Nápoles, cheguei um pouco mais cedo e uma vez que só tinha voo às 18h00, decidi almoçar uma verdadeira pizza napolitana. A famosa pizzeria Da Michele tinha uma fila enorme, por isso optei por almoçar numa das pizzerias mais antigas e genuínas de Nápoles – Trianon

 

Duomo di Ravello – Catedral de Ravello

 

Ñesta pizzeria as mesas são enormes e estilo “sala de estar”, ou seja, partilha-se mesa com outros clientes. Eu escolhi uma simples pizza Margherita com tomates San Marzano, basílico e mozzarella di bufala Campana. Tudo ingredientes puríssimos e típicos desta região. Até hoje não comi uma pizza tão incrível como esta!

Foi uma belíssima escapadela de Outono e até hoje uma das minhas Roadtrips favoritas. Nesta altura do ano em que fui havia turistas de todos os cantos do mundo, literalmente dos EUA à Nova Zelândia, portanto mesmo viajando por minha conta nunca me senti sozinha. Foi sem dúvida uma viagem incrível que me permitiu recarregar baterias!

E o que acham desta viagem? Partilhem comigo as vossas opiniões!

 

 

Para alojamento, consulte aqui.

Para programas de viagem, consulte aqui.

 

 

 

 

 

 

João Almeida

Chamo-me João Almeida, moro em Sintra (Portugal), e sou um AMANTE DE VIAGENS. Uma paixão que existe faz longos anos. A minha missão com esta página é de ajudá-lo a realizar o seu próximo destino! Saiba mais sobre mim e sobre o site.

Segue-nos também aqui:

RESERVA DE HOTÉIS

Booking.com

Categorias

SEGURO DE VIAGEM

ARTIGOS DE VIAGEM

PROMOÇÕES DE VIAGEM

RESERVA DE VOOS/ HOTÉIS

BILHETES PARA ACTIVIDADES

GOOGLE TRANSLATE

GRUPO FACEBOOK AMANTES DE VIAGENS