19 Jan

MADAGÁSCAR – A GRANDE ILHA VERMELHA

 

MADAGÁSCAR, a grande ilha vermelha

Parta à descoberta de Madagáscar, um dos destinos mais fascinantes e com um dos maiores índices de biodiversidade do planeta, e viaje por diferentes cenários fotográficos que vão desde vastas zonas de pináculos, passando por terraços de arroz, planaltos, montanhas, desfiladeiros, florestas tropicais e espinhosas, savanas, mangais ou praias com água cor turquesa, até aos majestosos embondeiros.

Percorra estradas de terra vermelha, atravesse rios e povoações remotas, caminhe por áreas naturais únicas, passeie por zonas históricas, visite os mercados, observe lémures e outros animais, assista à azáfama dos pescadores e comprove a imensa multiculturalidade e a enorme simpatia dos malgaxes.

Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

Allée des Baobabs- Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

 

Spots Fotográficos

. Parque Nacional de Ranomafana

. Parque Nacional de Andringitra

. Parque Nacional de Isalo

. Parque Nacional de Zombitse-Vohibasia

. Parque Nacional de Tsingy de Bemaraha

. Avenida dos Embondeiros (Allée des Baobabs)

. Canal de Moçambique

. Terraços de arroz

. Diferentes grupos étnicos

. Rio Manabolo em piroga

Andringrita- Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

Andringrita- Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

 

Técnica Fotográfica

Fotografia de natureza (fauna, flora), paisagem natural e retrato.

 

Material Fotográfico

Tratandose de uma experiência fotográfica, até um simples telemóvel poderá ser utilizado para registar as suas imagens. Recomendase a utilização de uma câmara reflex, objetiva grande angular e teleobjetiva. Baterias adicionais são outro elemento a ter em conta. O tripé é sempre opcional.

Ifaty - Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

Ifaty – Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

 

Destinatários

Esta experiência fotográfica destina-se a todos que gostam de fazer fotografia e viajar. O conhecimento fotográfico e o tipo de câmara que utiliza não são importantes, preferimos valorizar o olhar de cada um sobre o destino e que se interessem por natureza e pelo enriquecimento cultural.

 

Do 1º ao 15º dia:

Voo Portugal – Madagáscar

 

A nossa experiência fotográfica começa na capital, Antananarivo, onde ficaremos alojados na primeira noite e de onde partiremos em direção a sul pela cénica RN7. À medida que formos percorrendo esta estrada começarão a surgir diversos motivos para fotografar como sejam montanhas de terra vermelha, terraços de arroz, casas de traça típica e bancas de venda de artesanato, de fruta ou de brinquedos de madeira.

Visitaremos a cidade de Antsirabe, conhecida pelo seu cariz colonial e pelos seus riquexós chamados de pousse-pousse, pararemos em Ambositra para observar os artesões a trabalhar a madeira segundo a arte Zafimaniry e continuaremos pelas paisagens deslumbrantes da região de Betsileo até Ranomafana.

Mercado Zebu - Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

Mercado Zebu – Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

 

No Parque Nacional de Ranomafana caminharemos por floresta tropical luxuriante e observaremos algumas das espécies de lémures aí existentes, como o Sifaka de Milne Edwards ou o raro Lémur Dourado do Bambu, e um número considerável de aves, répteis, anfíbios e insetos como seja o Inseto Girafa. Surgirão fantásticos momentos para fotografia de natureza diurna e noturna, dado que também faremos uma caminhada à noite em busca de camaleões e lémures noturnos.

Seguimos para Ambalavao, não deixando de parar na cidade de Fianarantsoa onde poderemos visitar o laboratório fotográfico de Pierrot Men, um fotógrafo malgaxe internacionalmente conhecido, e o seu bem conservado centro histórico cuja arquitetura retrata diferentes fases da evangelização de Madagáscar. Já em Ambalavao, poderemos contemplar a estética dos edifícios, observar o fabrico de papel Antemoro e de seda de origem selvagem, ir a um mercado Zebu, gado

característico de Madagáscar e de grande importância a nível sociocultural, e avistar o espetacular maciço de Andringitra.

Saímos da RN7 e seguimos para Andringitra, cujo acesso é difícil, mas que nos permitirá apreciar um cenário decorado de grandes montanhas de rochas graníticas e de terraços de arroz, preparados de forma tradicional pelos Betsileo (um dos mais de 20 grupos étnicos existentes na ilha) e passar por povoações remotas inseridas em paisagens extraordinárias.

 

No Parque Nacional de Andringitra faremos um dia de caminhada e à medida que formos percorrendo o circuito Diavolana, iremos constatando a mudança que a paisagem e a vegetação sofrem e, com alguma sorte, observaremos camaleões e talvez alguns lémures. Prepare-se para excelentes oportunidades para fotografia de paisagem natural.

Regressados à RN7 continuamos em direção à vila de Ranohira, mas fazendo uma breve paragem na Reserva Anja para fotografar lémures de cauda anelada, camaleões e diferentes aves, e assim entrarmos na região do Grande Sul. Será um dia repleto de paisagens deslumbrantes até à zona de Isalo.

 

O Parque Nacional de Isalo é formado por um maciço de arenito com geomorfologia típica, já que a erosão esculpiu formas fantásticas, sendo a Janela de Isalo a mais conhecida. Ao caminharmos pelo desfiladeiro de Namaza, pelas piscinas naturais e por outras zonas do parque, constataremos a originalidade da vegetação endémica e da fauna específica deste local único de vistas panorâmicas deslumbrantes.

Isalo - Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

Isalo – Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

 

Ao viajarmos para sudoeste em direção a Toliary, atravessaremos vilas mineiras como Ilakaka, visitaremos o Parque Nacional de Zombitse-Vohibasia, onde veremos uma grande variedade de fauna e flora como Sifakas de Verreaux, um ou outro Lémur Desportivo de Hubbard ou embondeiros, e faremos uma breve paragem junto a túmulos da etnia Mahafaly. Com o aproximar à cidade de Toliary, a paisagem irá sofrendo alterações e o Canal de Moçambique começará a surgir no horizonte.

Pernoitaremos em Amboromailaka, uma aldeia piscatória a norte de Ifaty, onde poderemos admirar a cor turquesa das águas do canal de Moçambique e observar a ida dos pescadores da etnia Vezo, nas suas pirogas com velas coloridas, para o mar e o seu regresso a terra. Não faltarão oportunidades para fazer fotografia de retrato.

Voltaremos a Toliary para voarmos até Morondava, onde uma vez mais pernoitaremos junto ao canal de Moçambique. No dia seguinte sairemos cedo de modo a estarmos a tempo do nascer do sol na Avenida dos Embondeiros, um dos locais mais emblemáticos de Madagáscar, e assim aproveitarmos a luz do início do dia para fotografar estas árvores exóticas consideradas como sagradas para os malgaxes. Prosseguiremos a caminho do Rio Tsiribihina, o qual será atravessado em barcaça até Belo sur Tsiribihina, para depois continuarmos até Bekopaka, onde chegaremos ao final do dia. Será um trajeto em que a aventura se misturará com paisagens extraordinárias e excelentes oportunidades fotográficas.

DeckenSifaka- Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

Sifaka de Deken – Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

 

Em Bekopaka subiremos o Rio Manabolo em piroga, para observar cavernas com estalactites e o famoso túmulo do povo Vazimba, e caminharemos no Pequeno Tsingy (uma das zonas do Parque Nacional de Tsingy de Bemaraha, classificado como património mundial da humanidade pela UNESCO), para vermos os pequenos pináculos aí existentes, alguma flora e a fauna que viermos a encontrar. Iniciaremos depois um percurso de 17 Km, por estrada muito difícil, em direção a um dos pontos altos desta viagem, o Grande Tsingy. Nesta zona do Parque Nacional de Tsingy de Bemaraha, caminharemos por um quase impenetrável labirinto de agulhas de calcário cinza (pináculos), por pequenas grutas, por uma ponte suspensa e por floresta. Observaremos répteis, anfíbios, diversas aves e, com alguma sorte, o Sifaka de Deken e outros lémures e teremos a oportunidade de testemunhar e fotografar a beleza única e extraordinária desta extensa área de pináculos.

O regresso de Bekopaka será efetuado pelo mesmo percurso e com nova paragem na Avenida dos Embondeiros para desta vez fotografarmos estas árvores, que mais parecem crescer de “cabeça para baixo”, ao pôr-do-sol. Teremos bastante tempo para fotografar, uma vez que dormiremos em Morondava.

A viagem de regresso a Antananarivo demorará várias horas, incluindo uma breve paragem para almoço e pequenas pausas para aproveitar as oportunidades fotográficas que surgirão à medida que formos atravessando diferentes paisagens desde a costa oeste até às terras altas no planalto central da ilha.

Morondava - Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

Morondava – Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

 

16º dia:

Voo Madagáscar – Portugal

 

Valor do programa – Sob consulta

 

Serviços, Termos e Condições Gerais- Sob consulta

 

Acompanhamento do fotógrafo/viajante – Vítor Costa e Rui Arco

Campos de Arroz -Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

Campos de Arroz -Madagáscar @ credits Fotoadrenalina

 

Para mais informações:

www.fotoadrenalina.com

info@fotoadrenalina.com

LOGO_FOTOADRENALINA_

João Almeida

Chamo-me João Almeida, moro em Sintra (Portugal), e sou um AMANTE DE VIAGENS. Uma paixão que existe faz longos anos. A minha missão com esta página é de ajudá-lo a realizar o seu próximo destino! Saiba mais sobre mim e sobre o site.

Segue-nos também aqui:

RESERVA DE HOTÉIS

Booking.com

ARTIGOS DE VIAGEM

Mapa Hoteis em Portugal

redHotel com Piscina Interior redHotel de Luxo redPousada redTermas e SPA redTurismo Rural